PENTAGONO ANUNCIA NOVO PROGRAMA DE ESTUDO DOS FENÓMENOS AEROESPACIAIS

Ainda não foi desta que o Departamento de Defesa desistiu do tema dos OVNIs. Recentemente, o Pentágono anunciou a formação de uma nova organização intitulada por Grupo de Identificação e Sincronização de Gerenciamento de Objectos Aerotransportados (AOIMSG), encarregada de investigar relatos de OVNIs (ou como o Pentágono prefere chamá-los, UAPs).

Embora Washington esteja mais preocupado com a capacidade de espionagem de países como a China, entre outros, na utilização de drones ou outros meios aéreos desconhecidos, o futuro director da AOIMSG, ainda não nomeado, vai sincronizar todas as actividades nesta área, incluindo os serviços de inteligência.

O comunicado de imprensa anunciado pelo Pentágono, o AOIMSG actuará como uma espécie analistas de avistamentos de OVNIs, sincronizando os esforços do Departamento de Defesa e do governo mais amplo dos EUA. Citamos: “detectar, identificar e atribuir” objectos no que o governo define como Espaço Aéreo de “Uso Especial”. Toda a atenção estará focado no espaço aéreo incluindo áreas de operação militar, campos de tiro e outras áreas por razões de segurança nacional.

“Incursões por qualquer objecto aerotransportado em nosso SUA [Special Use AirSpaces] representam questões de segurança de voo e operações, e podem representar desafios de segurança nacional”, disse o Pentágono em seu comunicado à imprensa. “O DOD leva relatórios de incursões – por qualquer objecto aerotransportado, identificado ou não identificado – muito a sério e investiga cada um” – retrata o referido comunicado.

O AOIMSG atua como uma espécie de sucessor da Força-Tarefa (Task Force) dos Fenómenos Aéreos Não Identificados da Marinha dos Estados Unidos.

O Pentágono, que por sua vez tem uma história pitoresca de investigação de OVNIs, também falou mais publicamente sobre os UAPs, embora, como mostra a linguagem do AOIMSG, esteja ansioso para enquadrar a questão menos em termos de Roswell Grays e mais em relação à segurança nacional.

A constituição desta comissão AOIMSG, teve lugar em menos de seis meses depois que o Gabinete do Director de Inteligência Nacional divulgou seu relatório “bomba” de nove páginas (ver caixa DIVULGAÇÃO INTERNACIONAL) examinando 144 avistamentos de UAPs.

O relatório afirmou com um alto grau de confiança que a maioria das citações eram de fato objetos físicos e acredita que 21 dos relatórios podem ter apresentado objectos que demonstram conhecimento técnico avançado desconhecido para os EUA.

O mesmo relatório também atingiu as suas teorias de que a UAP poderiam ter sido criada por “adversários estrangeiros” representando um risco elevado para a segurança nacional. Sem surpresa, o relatório também pediu mais financiamento.

Vários meses depois, de acordo com funcionários citados pelo New York Times, outro relatório de inteligência, este classificado, não encontrou nenhuma evidência de que os UAPs identificados pelo piloto da Marinha eram de origem alienígena e determinou que a grande maioria dos casos não fazia parte dos Estados Unidos projectos militares ou de governo avançado.

Anúncio no site oficial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *